terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

JACQUES PREVERT

Para desenhar um pássaro






Pintar primeiro uma gaiola
com uma porta aberta
pintar depois
qualquer coisa bonita
qualquer coisa simples
qualquer coisa bela
qualquer coisa útil
para o pássaro
pendurar depois a tela numa árvore
num jardim
num bosque
ou numa floresta
escondermo-nos atrás do tronco
sem falar
sem um gesto...
às vezes o pássaro chega depressa
mas também pode acontecer que demore muitos anos
antes de se decidir
Não se desencorajem
Esperem
esperar anos se for preciso
a rapidez ou a lentidão da vinda do pássaro
com o êxito do quadro
quando o pássaro chegar
se acaso chega
guardar o mais rigoroso silêncio
esperar que ele entre na gaiola
e depois dele entrar
fechar docemente a porta com o pincel
depois
apagar um a um todas as grades
tendo o cuidado de nunca tocar nas penas do pássaro
desenhar depois a árvore
escolhendo o mais belo dos seus ramos
para o pássaro
pintar igualmente a verde folhagem e a frescura do vento
a poeira do sol
e rumor dos bichinhos da erva no calor do verão
e esperar que o pássaro cante
Se o pássaro não canta
é mau sinal
indica que o quadro é mau
mas se ele canta ai que bom
é sinal que podemos assinar
nessa altura arranca-se suavemente
uma das penas do pássaro
e escreve-se o nosso nome num canto do quadro.




Jacques PREVERT (1900-1977)



4 comentários:

JPD disse...

Uma delícia!

Saudações

zef disse...

Bom dia.
Vale a pena ver também a leitura que Eugénio de Andrade faz deste poema em "Trocar de Rosa".

José Augusto Nozes Pires disse...

Viva Zef! Obrigado pela visita (tens razão, o Eugénio...) e parabéns pelo teu blog muito belo. Entra para a minha galeria.

BAR DO BARDO disse...

Amo esse cara.