segunda-feira, 16 de novembro de 2009

CAIM

Se Adão e Eva tiveram apenas dois filhos, Caim e Abel; se Caim matou Abel, a humanidade que foi povoando a terra, descende de Caim; se Caim foi um assassino, descendemos todos de um assassino, um fraticida; portanto, trazemos conosco dois estigmas: do Mal que os nossos Pais praticaram no Éden, e do Mal cometido por Caim. Caim que era hermafrodita pois que fez filhos sem mulher. Deste modo não foi Paulo de Tarso, fundador da Igreja, ou Pedro, se se preferir, que inventaram o pecado original (os) e o estigma (contra o qual a Igreja nos salva), mas o Antigo Testamento; por consequência, o cristianismo, o judaísmo e o maometanismo são idênticos, pois que todos eles aceitam dogmaticamente o Antigo Testamento.
Ao recuperar Caim e o seu acto e culpar Deus, Saramago extirpa o estigma (na verdade, tanto o primeiro como o segundo). A estratégia principal da(s) Igreja(s) cai pela base.
Obrigado, José!

8 comentários:

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Só para te dizer que já cá estive.
Gostei deste texto. Este pensamento já eu o tive. Tinha um poema que focava este, digamos, dilema mas perdi o dito cujo poema. Vamos admitir que o Adao e a Eva, nao praticaram o coito interrompido (á falta de outros tipos de controle da natalidade) entao eles teriam mais filhos que nao foram registados na Biblia. De qualquer modo nós somos filhos de gente incestuosa, os filhos varoes de Adao e Eva concerteza que só poderam procriar com suas irmas.... e depois querem matar o Saramago...
Bjs e continua

O Guardião disse...

E se alguém viesse dizer que Caimera filho de Eva e da serpente,cujo fim teria sido a queda de um telhado que lhe foi fatal?
A dão e Eva tiveram mais filhos, filhas pelo menos, ou então tudo teria ficado por aqui mesmo!
Levar à letra o Velho Testamento, estabelecer cronologias apenas na sua base e esperar que tudo bata certo cientificamente é ilusório e pouco avisado.
Cumps

Mariazita disse...

Olá, boa noite.
Vim por indicaçaão da minha amiga Meg, e gostei do que vi...
Um texto muito interessante.

Ainda não li o livro de Saramago apenas por falta de oportunidade. Mas li tudo o que ele escreveu; aliás é um escritor de que gosto muito, doa a quem doer...Depois que ler este último poderei opiniar acerca dele. Entretanto vou ouvindo o que se diz e fazendo os meus juízos...
De qualquer modo, essa "história" do Adão e Eva e sua prole tem muito que se lhe diga. Mas não podemos esquecer que a Bíblia não pode ser interpretada literalmente...

Voltarei, não sem antes me fazer vossa seguidora, o que é já a seguir :)))

Beijo aos dois
Mariazita

Mariazita disse...

PS - Esuqeci-me de fazer referência às fotos publicadas pela Meg.
São lindas e enriquecem muito o blog.
Parabéns aos dois pelo espaço.

+ 1 beijo de boa noite

Peter disse...

Meg

Parabéns pelo blogue que já coloquei nos nossos links.
Quamto a comentar o texto, não o posso comentar, porque:
- nunca li a Bíblia;
- apesar de ter vários livros do Saramago, assim como do Lobo Antunes, nunca consegui chegar ao fim de nenhum.

São disse...

Parabéns!

Para mim, que creio numa Entidade Suprema ( o nome não me interessa, à Entidade ainda menos) e abomino o Velho Testamento, acho brilhante esta abordagem!

Tudo de bom.

Meg disse...

Nami,
Guardião,
Mariazita,
Peter,
São,

Muito obrigada pela vossa presença amiga.
Este é um blog de certo modo experimental, e, por falta de tempo, não me vai ser possível responder-vos aqui, como o faço no Recalcitrante.
Fá-lo-ei nos vossos blogs, com o mesmo carinho de sempre.

Um beijo a todos

bettips disse...

Mas que diabo de coisa: que ilusão discutir um livro que é uma ironia ... Gosta-se ou rejeita-se, dá-se opinião. Claro que pelos mil dogmas da igreja - e todas as igrejas - é tudo possível, até o espírito santo nas cabeças. É também possível humanamente escrever livros sobre avós, Mafra, cegueira, elefantes, irmãos-desmancha-prazeres, como lhe chamei.
Como escritor e pessoa, gosto de José Saramago - amo a sua postura na vida: e tive o gosto de lhe dizer que ele fez mais pelo país que 500 embaixadores.
Um abraço (não terei tempo para "escrever" aqui e faço-o pela Meg e ultrapassando um certo pudor de me ver exposta, submeter-me a exames e opiniões ... ela percebe)...